[RESENHA] 5 TEMPORADA DE GOT


Deixa eu ser sincera com vocês: esta foi a temporada mais fraca de todas para mim. E aproveitando a dose de sinceridade, por mais que os produtores avisassem que nesta temporada já estariam caminhando por si só na hora de escrever o rumo da história, não foi bem assim que aconteceu na prática.

Sim, é difícil para mim separar o universo dos livros do universo da série e isso só vai ser colocado 100% em pratica durante a próxima temporada, onde eles vão inventar as situações e se inspirar dentro do que já sabem e os fãs nem tão cedo devem ter ideia.  Se estou empolgada para ver a sexta temporada da série, sim eu estou. Mas também estou morrendo de medo do que vem por aí. Afinal, agora sim vai ser totalmente por conta e risco da HBO.

“Ah, mas então a temporada só foi ruim por não seguir os livros?”

Claro que não. Mesmo que as temporadas passadas tenham sido mais próximas ao material base, todas elas tiveram diferenças e gafes. Sim, gafes. Ou você realmente acha que o estupro de Sansa foi outra coisa? Extremamente desnecessário, mas não é o assunto deste momento. É obvio que adaptar algo para outra mídia dá um grande trabalho e com um tempo curto – 10 horas por temporada, em média – é preciso que os roteiristas saibam resumir bem a história. Saber dosar o que precisa ser passado sem que se perca a essência da história.

E é ai que vem a minha maior chateação nessa temporada. Independente de terem mudado fatos do livro ou não, os roteiros dos episódios dessa temporada, em geral, estavam bem pobres. O que mais pesou para mim foi insistirem em mostrar tantos núcleos por episódio. Cortes bruscos, cenas desnecessárias. E o exemplo mais claro que posso fazer uso é o núcleo de Dorne. Pensa aí um pouquinho comigo: que diferença fez mostrar as cenas em Dorne? Sinceramente foi uma encheção de linguiça sem tamanho. O personagem tarado, sendo mostrado como tarado. A viuva vingativa sendo vingativa. Picuinhas familiares sendo resolvidas durante o chá da tarde. Pelo amor de de Deus, né? Esse é apenas um dos exemplos. Achei uma grande perda de tempo e um investimento nada válido. E a parte que teve o roteiro mais pobre e mal aproveitado de todos foram nessas cenas.

Ainda sobre o excesso de núcleos por capítulo, o episódio que teve menos núcleos nessa temporada foi o melhor, ou seja, o 8. E sim, para mim este foi o grande episódio da temporada. Eles ousaram e mostraram muito mais para todos – quem leu e quem não leu os livros – surpreenderam a todos com cenas incríveis e bem aproveitadas. O episódio mais bem aproveitado da temporada, o que mostra que quando realmente estão focados, a coisa flui verdadeiramente.

Sinceramente, só parece ser isso. Foco. Faltou um pouco de foco para balancear bem os episódios e os acontecimentos. Talvez pelo fato de saberem muito mais que o publico que os assiste faça com que nem sempre tomem as melhores decisões na hora de escrever e desenvolver a história.


Claro que, mesmo sendo a temporada mais fraca para mim até então, tivemos algumas cenas muito bem construídas. Além do ataque dos WW, tivemos a incrível cena da Arena. Vi muita gente reclamando que Drogon não estava bem feito, mas pessoalmente não achei. Ainda mais lembrando como eles vem investindo cada vez mais nos efeitos especiais a cada temporada. Dany rainha voando em seu Dragão… foi uma cena memorável. E enquanto alguns personagens foram mostrados apenas como mais do mesmo, também tivemos a evolução de alguns deles. As cenas de Arya, todas muito boas. Nesta temporada tivemos um arco mais bem delineado para ela. Tyrion, como sempre, roubando a cena. E isso no lugar de me alegrar, só me irrita. haha Qual o problema de construir ou mostrar um arco descente para todos os núcleos e personagens? Qual a vantagem de correr tanto com a série? E, já que é para encher linguiça, que tal dosar bem?

Me pareceu que perderam o controle. E sinceramente, por mais que a brutalidade exista nos livros e a gente possa até contorná-la usando a nossa imaginação e não saindo totalmente de nossa zona de conforto, não existe outra justificativa a não ser a batissismo vontade de chocar o espectador. Como conheço o trabalho do Martin via os livros isso me decepciona duplamente. Primeiro por eles usarem cenas chocantes apenas para gerar o buzz e em segundo, como leitora, por eles mostrarem que não conhecem tão bem o material que estão trabalhando. Infelizmente que leu tem que lavar as mãos quando assiste a série, mas isso não significa que temos que ficar satisfeitos com a exploração de recursos de narrativa baratos e misóginos que ocorrerem ao longo da série. Triste saber que pelo fato da Sophie ter completado 18 anos já era de se esperar que ocorresse alguma cena que explorasse seu corpo. Ou que tivéssemos que ver um pai que estava se aproximando da filha, se mostrando amoroso, do nada queimar sua filha e única herdeira para o legado que pretendia deixar por ser um pau mandado sem tamanho. Em uma temporada anterior teria sido muito mais acreditável. Nesta foi apenas estúpido. Mais violência gratuita. A construção daquele episódio, por sinal, foi uma sequência de narrativa.

Por mais que Martin queira retratar mortes, politica, politicagem, fantasia, e violência, acredito que a série já teve melhores condições de amarrar todos esses importantes pontos. E não. Não é por ter todos elementos na série de livros que elas são usadas de maneira tão barata. Quem leu bem sabe.

Game of Thrones/ Balada de Gelo e Fogo¹ tem um excelente material base para trabalhar. Mas agora que vão escrever fanfic, como leitora avida do gênero de ficção de fã, espero de verdade ver algo bacana. Estou apreensiva, mas torço de verdade que saibam conduzir melhor a série. Que possam amarrar melhor as possibilidades que criaram, afinal, com apenas 10 episódios, enrolar o espectador não é uma opção para as concorrentes que inclusive também são apresentadas pelo canal.

XoXo

¹Realmente acho muito mais legal Balada de gelo e fogo no lugar de Crônicas. Acredito que funciona muito melhor para o universo fantástico.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.