[RESENHA] Shadow of Truth - Netflix Brasil

AVISO DE GATILHO: O assassinato de Tair Rada ainda é um caso que está "em aberto". Ao procurar por informações no google, por favor tome cuidado, pois existem fotos da cena do crime e apesar de eu não ter visto - eu mesma evitei isso assim que fui procurar mais sobre o caso e muitas pessoas alertam sobre o fato - são muito gráficas. A adolescente de apenas 13 anos foi assassinada de maneira brutal no banheiro de sua escola, em 2006.

Vale avisar também que existem imagens da cena do crime, o corpo também é mostrado, mas de forma não tão gráfica. Tomei um susto quando vi a quantidade de sangue, mas ao assistir, se você tiver estômago, vai entender a importância de mostrarem tanto a cena do crime ao longo dos quatro episódios.

Se você assistiu Making a Murderer, vale avisar: é muito mais leve que essa mini série.


Sinopse: Esta série documental analisa o controverso caso de assassinato de uma garota israelense de 13 anos e a subsequente condenação de um imigrante ucraniano.

Assim que ficou disponivel na Netflix Brasil, aparecendo para mim como uma sugestão por eu ter assistido Making A Murderer, numa das minhas madrugadas insones de janeiro, procurando algo que me fizesse relaxar um pouco, ou que até mesmo não me prendesse o suficiente - pois é, isso não faz muito sentido, mas esse era meu pensamento quando cliquei para assistir a série - comecei a assistir o primeiro episódio sem saber o que esperar. 

Pensei que nem ia me prender muito, especialmente pelo idioma original ser em hebraico. Como não estou acotumada com a língua, pensei que me cansaria logo, mas se prepare para um show de direção, edição, roteiro... Sério, algumas tomadas provavelmente feitas com drones são fantásticas. Já estava um pouquinho mais acordada, mas não esperava ficar de cabelos em pé. 

Tair Rada tinha apenas 13 anos quando sumiu. Morando em uma cidade tranquila, estudando em uma boa escola... um belo dia ela não retorna para casa. Uma busca começa e um grupo de adultos encontra o seu corpo no banheiro feminino de sua escola. Tair Rada não sumiu ou apenas morreu. Ela foi assassinada brutalmente. É aí que vemos, pela primeira vez a cena do crime, e gente do céu... eu realmente não esperava ver tanto. Veja, eu realmente não vivo apenas de purpurinas e unicórnios. Gosto muito de ler sobre casos reais, ler bons suspenses - meus favoritos são os forenses! - e assisto alguns documentários e séries investigativas, mas de modo geral, tudo é bastante esterilizado. Existe uma certa atuação, especialistas explicando a violência sofrida e etc... mas nada me preparou para ver por pouquíssimos segundos aquela imagem. 

Não, não mostram o corpo mutilado, apesar de você ver a vitima em algumas fotos, você não vai ver de fato a violência que ela sofreu, além do banho de sangue que existe na cabine do banheiro. Sei que estou me repetindo, mas acredito que jamais vou esquecer essas imagens. Ainda mais com o desenrolar de toda a investigação e a forma como muita gente parece não ter ajudado de fato a solucionar o caso. É revoltante em diversos sentidos. 

Assista ao trailer, acredito que ele é um bom exemplo do que você vai assistir ao longo da série com relação a cena do crime, mas tem um spoiler grande sobre a reviravolta do caso. Se você não se importa muito...



Por ser um caso pra lá de absurdo - afinal, como porra uma menina é assassinada brutalmente durante o horário de aula e ninguém realmente nota algo errado? - a pressão para que a policia encontre loco o criminoso é enorme. Similar a Making A Murderer, vemos um homem inocente - todas as provas demonstram isso, das mais básicas como uma possível perseguição que nunca ocorreu, como o fato de nada dele conter o dna de Tair, o que é realmente impossível, visto a quantidade de sangue que ela perdeu.

Tudo demonstra como a policia resolveu incriminar o homem errado. Como não levaram a sério alguns depoimentos, como forçam tanto o acusado que ele acaba se dobrando... É obvio que a gente tem que lembrar que por se tratar de um documentário, que o storytelling é fundamental. E existe um proposito para que eles mostrem que o que ocorreu com o acusado. Mais do que levar em consideração alguns detalhes no depoimento da mãe de Tair, eles querem chegar no ponto de virada. Querem chamar atenção a uma pista que vai chocar qualquer pessoa.

Novas pessoas são apresentadas e junto com elas, um depoimento cheio de detalhes do que aconteceu com Tair.. Alguns deles nunca revelados para o público em geral, mas que essa pessoa tem conhecimento. Se você acha que com essa revelação o caso será realmente encerrado... se prepare para apenas ficar mais revoltada.

São apenas quatro episódios e diferente de Steven Avery, que muitas pessoas já estavam dispostos a ajudar, aqui as limitações são ainda maiores. Ninguém quer reabrir o caso e investigar verdadeiramente o que ocorreu. Assumir que falharam no ano em que Tair foi assassinada, agora, não seria uma opção.

E seja quem quer que tenha sido, de fato, eu gostaria de ver, em algum momento, pagando por isso, mas a situação toda, de comum, não tem nada. A série foi exibida pela primeira vez no ano passado e apenas em 2017 ficou disponível na Netflix. Quem sabe com pressão de muitas pessoas eles não abrem o caso novamente e investigam de verdade o que aconteceu

Obviamente, assim que terminei de assistir, fui pesquisar alguma resenha ou forum de discussão sobre o documentário. Encontrei pouquissima informação, assim como os poucos que pararam para discutir sobre a série. A barreira de não conhecer bem a lingua também gera muito problema... Quem sabe em breve não temos alguma novidade? Apenas espero que seja uma realmente positiva, pois é impossível não ficar revoltada com o caso...

XoXo

Um comentário:

  1. Acabei de assistir e achei um dos casos mais malucos que já vi, principalmente pela "última" suspeita e seus problemas mentais

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.